Sem sede no jejum pré-operatório

Sem sede no jejum pré-operatório

Projeto Acerto recomenda, no jejum pré-operatório, bebida com maltodextrina seis e duas horas antes da cirurgia ou com maltodextrina e proteína seis e duas a três horas antes.

Um estudo realizado pela enfermeira Patrícia Aroni constatou alívio da sede em pacientes em jejum pré-operatório com o uso de um picolé mentolado três horas antes da cirurgia. A receita foi utilizada pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP), da USP, no pós-operatório de cirurgia bariátrica. 

A orientadora do estudo, a professora da EERP Cristina Maria Galvão, apresentou os resultados na Global Surgical Conference & Expo 2018 da Association of periOperative Registered Nurses (AORN) em Nova Orleans, nos Estados Unidos.

Patrícia Aroni disse ao site do Jornal da USP que grande parte das equipes de saúde públicas e privadas costuma usar medidas não padronizadas e muitas vezes ineficazes para resolver a sede dos pacientes que aguardam pela cirurgia em jejum pré-operatório. “No caso da água, o tempo de jejum recomendado pela organização científica American Society of Anesthesiologists é de duas horas”, ela disse. Porém, muitas vezes, os pacientes são “mantidos em jejum de sólidos e líquidos por períodos muito maiores do que o recomendado. Isso porque não existem protocolos bem definidos sobre tempos menores de jejum. O jejum de água torna o momento ainda mais estressante”.

O picolé para o jejum pré-operatório

A enfermeira Patrícia Aroni fez pequenos ajustes na fórmula do picolé mentolado para alívio da sede dos pacientes em jejum pré-operatório, que consiste em 30 ml de mentol dissolvido em álcool de cereais, água ultrafiltrada e sacarina congelados no palito. Segundo ela, que explica que substâncias frias e mentoladas ativam um receptor de temperatura na boca, o sabor e o aroma do picolé são semelhantes aos de uma bala de menta. Ao serem ativados, os receptores na boca enviam mensagens de saciedade à região do cérebro relacionada à sensação de sede. “Como se trata de um impulso nervoso, o paciente não precisa ingerir grandes quantidades para matar a sede. Aí entra a vantagem do picolé mentolado, em que pouca quantidade dá a sensação de saciedade da sede. Não é preciso, por exemplo, de um copo de água”, disse ela ao site do Jornal da USP.

O estudo foi conduzido com 40 pacientes no pré-operatório. Vinte pacientes receberam o picolé mentolado, enquanto 20 não receberam e foram submetidos ao protocolo local. Segundo a enfermeira, para os pacientes que experimentaram o picolé, a fórmula gelada diminuiu significativamente a intensidade e o desconforto da sede. O resultado foi observado após 20 minutos da ingestão e, ao ingerir uma unidade, o paciente ficou satisfeito e não solicitou maiores volumes de líquido.

Projeto Acerto e jejum pré-operatório de líquidos

O Projeto Acerto recomenda o seguinte em relação ao jejum pré-operatório de líquidos: “Prescrever bebida com carboidrato (maltodextrina) a 12%, 200 mL 2 e 6h antes da operação ou bebida com maltodextrina e proteínas 6h antes e novamente 2 a 3h antes da operação.”

Segundo o artigo “Abreviação do Jejum Pré-operatório”, do Dr. Alberto Bicudo Salomão e do Dr. José Eduardo de Aguilar Nascimento, publicado no livro do projeto Acerto: Acelerando a Recuperação Total do Pós-operatório, “Como existe a possibilidade de uso de líquidos claros até 2h antes da operação, um teor calórico (carboidrato ou carboidrato associado a proteínas em forma líquida) mostra-se benéfico no sentido de reverter a resistência à insulina relacionada com o trauma cirúrgico”.

Segundo os autores do artigo, essa prática pode melhorar ainda a perda de massa e de força musculares no pós-operatório, a manutenção da função imunológica, reduzir ansiedade e fome do paciente e ajudar a diminuir intensidade e frequência de náuseas e vômitos no pós-operatório.

Com informações de:
Jornal da USP
Projeto Acerto

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.