Avaliação pré-anestésica é lei

Avaliação pré-anestésica é lei

Avaliação pré-anestésica pode evitar complicações e salvar vidas até em anestesias que podem parecer mais simples, como em implantes dentários e endoscopias

Segundo a Resolução 1.802-2006 do Conselho Federal de Medicina sobre o Ato Anestésico, a anestesia deve ser precedida da avaliação pré-anestésica (APA). Na APA, o médico anestesista avalia as condições clínicas do paciente, podendo solicitar exames complementares, além de lhe prestar orientação detalhada dos procedimentos pré e pós-anestésicos. A Avaliação pré-anestésica é um dever do estabelecimento prestador do serviço de saúde e um direito do paciente. 

O médico anestesiologista e doutor em Ciências e Anestesiologia pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) Giorgio Pretto ressalta que todo procedimento que necessite da presença de um anestesiologista deve ser precedido de uma avaliação pré-anestésica: “É o momento de orientar o paciente sobre a interação da saúde dele com a anestesia e com a cirurgia, e trabalhar para mantê-lo na melhor saúde possível para a realização do procedimento”.

Segundo Pretto, a Avaliação pré-anestésica é parte integrante e fundamental do ato anestésico-cirúrgico e nela devem ser identificados os problemas de saúde do paciente e as características do procedimento a que ele será submetido. Essas informações irão direcionar as condutas perioperatórias, baseadas nas melhores práticas atuais. 

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.